Desde que me conheço por gente, sou apaixonada por moda. Eu era uma criança, talvez uma das únicas, que trocava os brinquedos pelas roupas. Fui crescendo, o tempo passando e pouca coisa mudando. O saldo de tudo isso? Um guarda-roupa explodindo; a promessa de um ano inteiro sem comprar roupas, sapatos ou afins; a busca por uma nova consciência e um blog para compartilhar essa história com você.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Sobrando


Começamos o mês e uma coisa inédita aconteceu: não só estava com dinheiro sobrando no caixa como, além de pagar todas as minhas contas, ainda organizei-me para pagar uma dívida antiga com o meu plano de saúde. Bom, né?! Na verdade, isso é ótimo; no meu caso, então, quase inacreditável. E o dinheiro que sobrou? Para este, eu já achei várias finalidades. Na verdade eu já o gastei de umas vinte formas diferentes sem ele nem mesmo ter saído da minha carteira. Algumas manias não mudam.

Eu estava analisando o meu comportamento, tentando ser a minha terapeuta, e descobri que meu principal problema não é gastar o dinheiro em roupas, mas sim gastar o dinheiro. Explicando melhor: tem períodos em que fico com muita vontade de gastar e, claro, até então sempre o fiz com roupa, que é o que me traz mais satisfação, mais alegria, mais tudo. Agora, fico procurando coisas com o que gastar, e a segunda que me traz mais prazer é minha casa. E nos últimos tempos, aproveitei para comprar todas aquelas coisinhas que estavam faltando, desde a toalhinha de centro de mesa até a renovação de alguns tapetes. Uma delícia, a casa ficou ainda mais bonita.

A questão é que fico realmente agoniada para gastar e, nessas horas, até com o encanador é legal. Não, na verdade com o eletricista é mais ainda porque ele sempre põe uma tomada nova e tal. Isso, pelo que percebo, é meio que um fator genético que vem nas mulheres. Eu não vejo isso no Bruno, ele não tem essa mesma vontade. Dou graças a Deus, porque se tivesse com certeza estaríamos falidos. Afinal, alguém tem que ter controle. O Bruno não gasta dinheiro com quase nada, às vezes até namora um instrumento musical e, quando incentivado por mim a comprar, diz "vou pensar um pouco melhor". Quase louca eu grito: leva de uma vez!

Então, tenho tentado entender em mim o porquê de tanto consumir. Estava em Urubici nesse fim de semana e conheci a Carol, que morava em Floripa, se mudou para lá e montou um restaurante, muito charmosinho por sinal. Ela me disse: "ganho menos do que ganhava em Floripa, mas hoje preciso de muito menos, aqui não tenho com o que gastar, não preciso de tanta coisa". E eu? Será que preciso? Até aqui, não consigo imaginar uma vida diferente da que levo, longe desse sentimento de alegria em ter as coisas, em precisar das coisas, mas é sempre algo para se pensar, para aprender a dosar e, quem sabe, um dia até desapegar.

10 comentários:

  1. Hahaha só tu mesmo!

    Já pensou em colocar o dinheiro que sobra numa poupança? Para poder fazer uma viagem legal nas férias? Ou quem sabe trocar de carro mais pra frente? Ou ainda poupar para quando aparecer uma coisa MUITO legal com o que gastar?

    Pense nas possibilidades futuras, porém guarde o dinheiro...deixe ele na poupança rendendo, não rende lá essas coisas, mas pelo menos fica guardado! Tem um esquema no banco do Brasil que tu paga tipo 50,00 por mês durante 4 anos, e nesse tempo você não pode mexer no dinheiro guardado...após esse tempo você pode retirá-lo e rende uns R$ 4.000,00 mais ou menos...é só fazer as contas! Talvez no seu caso valha a pena, com a minha mãe esse dinheiro sempre veio em boa hora!

    Pra me controlar eu ando fazendo meu controle financeiro (tá bom admito...eu não...meu namorado) arrumei um contador...agora ele cuida das minhas finanças. Sei que o Bruno não é contador, porém é mais contido, se não consegue guardar o dinheiro, peça a ele para guardar...ou faça uma planilha dos seus gastos, acredito que possa ajudar! :)

    Meu Deus...como eu to velha...olha os conselhos que tô te dando!

    ahiuahaiuhiua

    Te adorooo!
    To com saudades!

    Beijos
    :***

    ResponderExcluir
  2. hahahahaha Adoreiiii Su, na verdade temos tudos os nossos gastos em planilha e todo o mês já economizamos um dinheiro que para nós é um gasto fixo, mas fora isso ainda ta sobrando e com esse dinheiro que me dou um luxinho de gastar, heheheheh.... Se não gastar um pouco a vida fica tão preto e branco né Su!!!!!
    Obrigado sempre pela força

    beijos Lindona

    ResponderExcluir
  3. ahuiahauuia..

    é verdade! Podes fazer caridade com esse dinheiro também..

    to aceitando doações!

    =D

    ResponderExcluir
  4. Ai Vicky, pior que eu sou exatemente igual, mas faço bem o que tua amiga diz, todo mês tiro um pouco e coloco na poupança. Que loucura, parece que temos que movimentar a conta corrente sempre. Beijão

    ResponderExcluir
  5. hahaha.. concordo que a vida no interior te "suga" menos dinheiro, afinal, vai gastar com o que? o consumismo não toma conta da sua rotina.. ele não fica o tempo inteiro te dizendo "me compra, me compra, vai".
    Vc não vive com ele lado a lado... falo isso por experiência propria.. e digo que vale a pena experimentar simplesmente a vida... bjuuu

    ResponderExcluir
  6. Ai que legallll Lu, Tbm queroooooo!!!!

    te amoooo

    ResponderExcluir
  7. Cade os posts?????????

    Aie, quero mais!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Vic!!!
    Como anda a luta para não comprar nada nesse natal?

    Manda notícias da tua saga...

    Beijos
    Joana

    ResponderExcluir